sexta-feira, 30 de julho de 2010

Ela e Ele.

Ela tinha o choro discreto, assim como ela da minha vida.
Tinha o andar calmo e cambaleante daqueles que a qualquer momento vai pedir/precisar de um apoio/auxilio.
Anda na frente de todos como se fosse 'a líder', a mais forte... Quando na verdade era ela a mais frágil.
E ele que ainda não foi mencionado estava ali, com o mesmo andar que ela, com mais segurança que ela e ao contrario dela que tinha o choro discreto ele nem o choro tinha.
Tornando-se assim apenas um ator coadjuvante naquela pequena peça teatral da vida que durou apenas alguns minutos no corredor de um hospital!